terça-feira, 16 de abril de 2024

Cid revela em delação que Bolsonaro consultou militares sobre golpe

O ex-presidente Jair Bolsonaro se reuniu, no ano passado, com a cúpula das Forças Armadas e ministros da ala militar de seu governo para discutir detalhes de uma minuta que abriria possibilidade para uma intervenção militar. Se tivesse sido colocado em prática, o plano de golpe impediria a troca de governo no Brasil.

A informação chegou à atual chefia das Forças Armadas, como um dos fatos narrados em delação premiada pelo ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, o tenente-coronel Mauro Cid.

O relato caiu como uma bomba entre os militares. Segundo informações apuradas pela coluna, Cid relatou que ele próprio foi um dos participantes de uma reunião onde uma minuta de golpe foi debatida entre os presentes.

O dado que mais criou tensão na cúpula das Forças é o de que Cid revelou que o então comandante da Marinha, o almirante Almir Garnier Santos, teria dito a Bolsonaro que sua tropa estaria pronta para aderir a um chamamento do então presidente. Já o comando do Exército afirmou, naquela ocasião, que não embarcaria no plano golpista.

A delação premiada de Mauro Cid é considerada um ponto de partida das investigações. A Polícia Federal tem tratado o tema com cautela e sigilo. Para os fatos serem validados e as pessoas citadas pelo tenente-coronel serem eventualmente responsabilizadas, é preciso que haja provas que corroborem as informações repassadas pelo ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro.

Em nota enviada para a GloboNews, a defesa de Cid disse que não comentaria o caso pois não tiveram acesso ao depoimento citado por esta coluna.

É grande a preocupação entre os militares sobre os efeitos que o relato de Mauro Cid pode ter, principalmente por envolver membros da cúpula das Forças e ministros que, apesar de estarem na reserva, foram generais de alta patente.

Fonte: Portal G1

Projeto “Agetran na Escola” tem trabalho de professora da Reme selecionado pelo Dnit

Na Semana Nacional do Trânsito de 2022, a Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito, em parceria com a Semed (Secretaria Municipal de Educação) e o Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes), lançou o projeto “Agetran na Escola”. Objetivo é incluir o ensino da legislação de trânsito aos alunos de maneira lúdica, interativa e multidisciplinar, com auxílio de material disponibilizado através do programa “Conexão Dnit”.

O projeto está em cinco escolas da Reme (Rede Municipal de Ensino) e, neste ano, o trabalho desenvolvido pela professora Rosangela Fernandes Alves, na EM Professora Avani Cargnelutti Fehlauer, foi selecionado pelo Dnit para ser apresentado no I Encontro da Equipe Nacional de Educação para o Trânsito. Ela foi convidada para apresentar o tema “Transversalidade da Prática – Uma Experiência de Dourados/MS”.

O evento acontece em Maceió (AL), entre os dias 2 e 4 de outubro, e reúne especialistas, profissionais e organizações que atuam na área de educação para o trânsito, com a finalidade de promover a discussão e o intercâmbio de conhecimentos.

Preparando a Próxima Geração

Segundo a diretora da Agetran, Mariana de Souza Neto, o sucesso da professora com seus alunos mostra a importância de se trabalhar com as crianças as leis de trânsito. “Estamos preparando a próxima geração de condutores, mas essas crianças já estão inseridas no trânsito como pedestres ou ciclistas, então nossos alunos já fazem parte deste contexto. Através deste projeto, mostramos a eles, durante os anos escolares, a importância do respeito à legislação. Até por isso, o reconhecimento pelo trabalho desenvolvido pela professora Rosangela nos serve como combustível para continuarmos”, afirmou.

Minicidade foi montada por alunos com utilização de materiais recicláveis (Foto: Arquivo Pessoal)

Em entrevista à página Conexão DNIT, a professora douradense afirma que o programa teve excelente receptividade dos alunos. Entre os trabalhos, está a construção de uma minicidade utilizando material reciclável, com os alunos participando da organização de ruas, quadras, diversidade de áreas comerciais, residenciais e industriais, tudo com sinalização e placas obrigatórias. Para transitar, as crianças aproveitaram brinquedos para identificar a importância de agir com educação e empatia no trânsito.

“Minhas aulas sempre foram interativas, tenho como objetivo colocar os alunos como provedores de seus próprios conhecimentos, então isso me facilitou muito. Os desafios e todas as propostas lançadas se basearam em diálogos e rodas de conversa para determinar a sequência das atividades sugeridas. Os alunos, sempre solícitos, cooperadores e se apresentaram muito proativos”, elogia Rosangela.

Ela é docente nas áreas de História, Geografia e Ciências dos quarto e quinto anos do Ensino Fundamental, que tem um quantitativo com cerca de 120 alunos, e buscou trazer a experiência de cada um deles para o programa. “A colaboração e participação dos alunos nas coletas de dados familiares com registros e relatórios foram muito significativas, pois cada um relatou suas vivências e experiências, boas e ruins e o que precisaria melhorar para evitar acidentes e mortes no trânsito ao trafegar pelas ruas da cidade de Dourados”, completa.

Fonte: Assecom

Setembro registra recordes de temperaturas em cidades de Mato Grosso do Sul

Mato Grosso do Sul passa por uma intensa onda de calor nos últimos dias. De acordo com o Cemtec (Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima), a causa desta condição é a atuação de um bloqueio atmosférico.

Apenas neste mês de setembro, 18 cidades do Estado bateram seus devidos recordes de temperatura. Entre os municípios que ultrapassaram os 40°C no último domingo (17) estão: Pedro Gomes (40,7°C), com o calor mais intenso do Brasil em 2023, Água Clara (40,6°C) e Porto Murtinho (40,3°C).

Destas 18 cidades, em 11 houve quebra de recordes no domingo (17). Coxim, Laguna Carapã e Rio Brilhante, por exemplo, atingiram 38°C. A segunda-feira (20) também teve calor intenso, com registro de 36°C em Campo Grande, maior temperatura da Capital em 2023, e 39,3°C em Três Lagoas.

Cuidados necessários

Com o clima quente e seco, os cuidados devem ser redobrados para que o prejuízo seja menor. Além da hidratação e de uma boa alimentação, é recomendável arejar os ambientes fechados regularmente, evitar a prática de exercícios físicos entre 10 e 16 horas, lavar tapetes e cortinas com frequência, aspirar e limpar todos os locais que possam acumular poeira, colocar uma bacia de água no ambiente para ajudar a evitar o ressecamento da mucosa respiratória e aliviar desconfortos em crises alérgicas já manifestadas.

Fonte: Portal do MS