quarta-feira, 4 de agosto de 2021
  • LEIA MAIS
  • Política
  • “Não é só ceder, mas informar onde vão continuar os atendimentos”, alerta Neno sobre cedência do PAI para UPA Dourados

“Não é só ceder, mas informar onde vão continuar os atendimentos”, alerta Neno sobre cedência do PAI para UPA Dourados

Compartilhar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Deputado estadual Neno Razuk

O deputado estadual Neno Razuk (PTB) solicitou via requerimento oficial ao prefeito de Dourados Alan Guedes que explique a cedência da policlínica Flamarion Capilé para a UPA da cidade nas ações contra o coronarívus. O questionamento, não é o uso do local neste momento de pandemia, mas que a população tenha esclarecimentos sobre como serão prestados os atendimentos que eram oferecidos no local e também quando o atendimento infantil será retomado.

“Sabemos que o momento é delicado? Com certeza, mas a Policlínica é de atendimento infantil e foi pensada para estes fins, para atender desde recém nascidos até adolescentes com 15 anos em atendimento multidisciplinar. Esse é um dos projetos mais importantes para o atendimento infantil às crianças em Dourados”, explica o parlamentar sobre os questionamentos enviados também para o Conselho de Saúde da Câmara Municipal e ao secretário de saúde Waldno Pereira de Lucana Junior.

De acordo com as informações, a estrutura física da PAI (Policlínica de Atendimento Infantil) será cedida ‘temporariamente’ para a UPA, por motivos de emergência de saúde pública, devido à Covid-19. A confirmação foi feita pelo secretário municipal de Governo e Gestão Estratégica, Henrique Sartori, a representantes de pais atípicos, que estão preocupados com a desativação do local.

No requerimento enviado via Assembleia Legislativa, o parlamentar questiona ainda se foram feitos estudos técnicos para implantação da unidade de extensão da UPA em outras unidades além da Policlínica. “Se há esses estudos técnicos, eles devem ser apresentados juntamente com as razões para a escolha deste local. E a população quer saber se os serviços de atendimento oferecidos na Policlínica continuarão sendo ofertados e em qual unidade de atendimento. Precisamos sim de respostas, sobre quais são os esforços e as adequações necessárias por parte do Poder Executivo do Município de Dourados para atender as demandas das atividades especializadas oferecidas pela Policlínica”, apontou.

Policlínica de Atendimento Infantil, em Dourados

HISTÓRICO – A Policlínica Flamarion Capilé (PAI), que foi pensada desde 2010 quando a ex-prefeita Délia Razuk ainda era vereadora, e logo após assumiu interinamente a Prefeitura Municipal. Desde a criação do projeto, o objetivo era atender crianças e adolescentes das 7h às 19h, sendo atendimento ambulatorial e não 24h com urgência e emergência.

“O projeto original sempre foi para prestar atendimento desde bebês recém nascidos até adolescentes com 15 anos. Ainda em 2010 uma equipe foi até Londrina, no Paraná, para conhecer o projeto da PAI e houve a inserção junto ao Ministério da Saúde da proposta de convênio para a construção da unidade.”, aponta.

A partir daí, com recursos federais que foram garantidos por emendas do então deputado federal Marçal Filho foram feitas as obras da policlínica que ficou pronta em 2013.

Quando assumiu a prefeitura a ex-prefeita Délia Razuk tomou a iniciativa de ativar a unidade, quando só aí, foi iniciado o trabalho para mobiliar e estruturar o atendimento.

Para o parlamentar, essa é sem dúvida uma das maiores conquistas na área da saúde para Dourados. “Quando a Policlínica foi inaugurada eram oferecidos atendimentos em psicologia, psiquiatria, neuropediatria, exames complexos como eletroencefalograma com mapeamento e vigia. Além do acompanhamento em enfermagem, ambulatório de tratamento da Sífilis Congênita, pediatria, alergo e imunologia, pneumologia, fonoaudiologia, otorrinolaringologia, dermatologia, odontopediatria, ortopedia, nutrição e homeopatia pediátrica.”, enumerou.

 

Fonte: Assessoria

Últimas notícias